The Flash: 03.16 – A força de desaceleração!

Capa da Publicação

The Flash: 03.16 – A força de desaceleração!

- – Quando nós temos um episódio tão pesado e emocional como foi o episódio Wrath of Savitar e, nos prometem um episódio praticamente inteiro dentro da Força de Aceleração com Barry Allen indo tirar satisfação com a “entidade” que lhe dá seus poderes, é meio impossível não criar algumas expectativas.

Por Mike Sant'Anna → Pra criar uma mística ainda maior no episódio, ele promete trazer três personagens que estavam ausentes na série de volta para uma participação especial: Eddie Thawne, Ronnie Raymond e Leonard Snart. Diga isso para um fã da série e ele estará pregado na ponta da cadeira esperando ansiosamente para que este episódio seja lançado.

Mas já diria o ditado, “quanto maior a altura, maior o tombo”, e por isso o sentimento de decepção com este episódio foi tão grande. Tivemos logo à princípio, Barry Allen se prontificando para adentrar mais uma vez na Força de Aceleração e buscar Wally West de lá, obviamente, a equipe inteira foi contra essa ideia – e com razão, afinal não é uma viagem com volta garantida – Eis que então, a fonte dos meus facepalms nessa temporada se manifesta, H.R, forçando mais uma vez sua função como “musa inspiradora” de Cisco nas sugestões mais estapafúrdias, que só fazem sentido porque os roteiristas querem que faça. E assim, agora, Barry tinha uma maneira segura de viajar para a Força de Aceleração.

Eu consegui ignorar H.R e sua tentativa de ser uma figura paterna para Jesse Quick, pois estava realmente entusiasmado para ver essa aventura de Barry dentro da força matriz de seus poderes. No fim, pareceu um grande episódio especial de comemoração da série, pois trouxe vários convidados especiais, fez várias referências à tudo que já aconteceu na série – como trazer o Time Wraith e o Flash Negro – mas no fim das contas, não passou disso, não passava de uma série de fanservices um atrás do outro, sem a menor profundidade de história.

O enredo deste arco se focou todo na Força de Aceleração tentando fazer Barry aprender uma lição, mas em momento algum eu senti o aprendizado de Barry neste episódio, pelo contrário, vi uma briga entre duas forças fazendo “pirraça” em um cabo de guerra, até que o lado do Barry ganhou e ele conseguiu resgatar Wally. É aqui que entramos em outro problema do episódio pois, tal qual quando Barry perdeu o movimento das pernas e rapidamente isso foi resolvido, o grande tormento e inferno de Wally, que foi tão bem trabalhado no episódio anterior com uma atuação exemplar do Keiynan Lonsdale, se resolveu em menos de um episódio. Frustrante.

Voltando à Barry, se ele não tivesse dito para Iris qual foi a lição que a Speedforce ensinou para ele, eu estaria até agora tentando entender. O que nos leva a ter que comentar essa sina que a CW tem de martelar toda vez que todo e qualquer herói está terminantemente proibido de ter uma vida amorosa feliz – com seus problemas rotineiros – muito pelo contrário, vamos pegar uma das coisas que estavam sendo mais bem feitas nessa temporada, que era o relacionamento de Barry e Iris, tão fluido, tão natural, tão real e vamos, mais uma vez, transformar nesse drama meloso que ninguém aguenta mais. Nos quadrinhos, o Flash é um dos poucos personagens que realmente conseguem manter sua vida amorosa apesar de sua vida heroica, tanto é verdade que temos Bart Allen, neto de Barry. Não seria difícil transpor essa estabilidade para dentro da série, mas a CW sempre vai optar por ter essa pitada de drama mexicano em suas séries, é ilusão tentar esperar algo diferente.

Quanto ao arco de Jesse caçando Savitar, teve uma das minhas cenas favoritas do episódio, onde a personagem – realizando um pequeno desejo pessoal meu – soca H.R no rosto, nocauteando-o e calando os conselhos desnecessários do personagem.

No fim, foi muito bom rever alguns rostos familiares no episódio, mas foi uma pena que eles tenham retornado em um episódio tão decepcionante.

Isso tudo serviu para que agora o Team Flash possa saber que, por baixo daquela armadura, Savitar é humano!

… mas isso já não estava meio óbvio?

Confira uma galeria do episódio.

Agora que a notícia acabou, aproveita para conferir o vídeo mais novo no nosso canal!

sobre o autor Mike Sant'Anna

Eu sou o melhor no que eu faço, mas o que eu faço... É bem retardado.