Capa da Publicação

Chuck Norris relata o dia em que foi apagado por um brasileiro

-

Por Vinicius Tavares → Norris é um estudioso do mundo das lutas há décadas e em uma de suas andanças para aprender mais sobre artes marciais, acabou encontrando o jiu-jítsu no Rio de Janeiro. Se o ator imaginava que tinha uma boa base para encarar os magrinhos Gracie – que criaram o jiu-jítsu brasileiro -, não podia imaginar que, ao ser desafiado a dar um soco em um dos velhinhos da família, dormiria nas mãos dele. Confira o relato do próprio Chuck Norris no vídeo, transcrito abaixo:

“Quando comecei no jiu-jítsu, eu estava de férias no Rio de Janeiro. Estava circulando entre todas as artes marciais e treinando. Em toda escola que eu ia me falavam do jiu-jítsu dos Gracie, então pensei: ‘preciso saber quem são esses caras’. Finalmente eu os achei no Rio e fui à academia deles. Conheci o Sr. Gracie, o pai, conheci Rickson Gracie, que na época era o campeão mundial, e Royce. Perguntei se podia treinar com eles e eles foram muito cordiais, disseram ‘claro’.

Eu luto judô, então eu achava que tinha boa habilidade para isso. Fui para o chão com Rickson Gracie e foi como se eu nunca tivesse ido a uma aula na minha vida. Ele brincou comigo. Depois treinei com Royce e o Sr. Gracie me chamou. Ele é desse tamanho (faz gesto de baixinho). Começamos a treinar, eu montei nele. Ele me disse: ‘Ok, Chuck. Me dê um soco’.

Eu falei: ‘Sr. Gracie, eu não vou socá-lo’.

Bem, a última coisa que me lembro é de levar a mão para trás, e a próxima recordação é de eu acordar depois de ser estrangulado e ficar inconsciente.

Minha garganta mal me deixava engolir.

Ele me disse: ‘Desculpe, não queria ter feito tão forte’.

Depois disso, ele foi muito educado: ‘Eu quero que você fique aqui. Você tem potencial e posso fazer de você um grande lutador de jiu-jítsu’.

Infelizmente eu tinha de fazer um filme e não pude ficar. Mas, de volta a Los Angeles, comecei a treinar com Rorion Gracie e com os irmãos Machado. Estou com eles há 28 anos.”

Imagem de perfil
sobre o autor Vinicius Tavares

Finjo programar desde os 10 anos e hoje cuido da T.I. daqui. Se você está lendo algo escrito por mim, provavelmente todos da equipe estão mortos.