Capa da Publicação

Desenterrando um Clássico: Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado!

- – Você conhece esse pequeno clássico do anos 90?

Por Evandro Lira Em 1997, o mundo conhecia um grupo de jovens recém-saídos do ensino médio que não encerraram seu verão da forma que se esperaria. Nada de sol, piscinas ou viagens agradáveis, eles haviam cometido um assassinato. Um acidente, é claro, mas a decisão de esconder esse segredo seria a pior de suas vidas.

Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado viria a ser lançado um ano depois do sucesso Pânico, de Wes Craven. Enquanto este continha elementos de paródia e autorreferências, Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado era baseado no romance de mesmo nome de 1973 e pensado para se parecer com os filmes de horror populares na década de 80.

E apesar de ser escrito por Kevin Williamson, o mesmo roteirista de Pânico, não dá para dizer que ambos os filmes compartilham do mesmo preciosismo – Pânico se tornou uma das séries de terror mais célebres do cinema – mas Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado ainda é bastante assustador e de fácil identificação, tanto quanto “seu primo”.

O roteiro do filme devia estar coberto de poeira em alguma gaveta da Columbia Pictures quando foi resgatado pelo estúdio, após o sucesso do filme de Wes Craven. O cineasta Jim Gillespie foi contratado para assumir a produção, enquanto Williamson readaptou o roteiro com algumas novas ideias. Como por exemplo, a de transformar a arma do vilão em um anzol. Inspirado na lenda urbana do Homem Gancho, o vilão foi escrito por Williamson exatamente como a lenda o descreve: um homem que tinha um gancho no lugar da mão e que pune qualquer um que mostre uma conduta vergonhosa.

Os jovens Barry, Hellen, Julie e Ray eram quatro rostos bonitos e conhecidos no final dos anos 90, com personalidades distintas e bem definidas. Ryan Phillippe e Freddie Prinze Jr. eram considerados galãs para parte do público, e Jennifer Love Hewitt e Sarah Michelle Gellar viriam a se tornar bem populares no início dos anos 2000. Gellar, inclusive, também estrelou Pânico e estava a meses de se tornar Buffy, a Caça-Vampiros.

No início do filme, seus personagens acabam atropelando um homem enquanto voltavam das comemorações de 4 de julho. Nervosos, eles acabam se livrando do corpo, com medo das consequências que aquilo traria para seus futuros promissores. Um ano depois, Julie volta da faculdade a fim de passar o verão na sua cidade e recebe um bilhete anônimo de alguém que afirma saber a atrocidade cometida por eles no ano anterior.

O desenrolar de “Verão Passado” se concentra na corrida dos quatro jovens querendo desvendar quem está por trás dos bilhetes, ao mesmo tempo que precisam fugir de uma figura sinistra que está tentando desesperadamente matá-los.

O longa recebeu críticas mistas em seu lançamento, e inevitavelmente quase todas elas faziam comparações com Pânico. Ainda assim, a obra conseguiu se destacar pelo desempenho do elenco e por se firmar como um autêntico e divertido slasher.

Com um orçamento de US $ 17 milhões, Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado estreou nos Estados Unidos quase cobrindo seu custo de produção, faturando pouco mais que US $ 15 milhões. Permaneceu em 1º lugar das bilheterias norte-americanas por três semanas e totalizou mundialmente US $ 126 milhões. Foi considerado um grande sucesso para a época, e a longo prazo transformou-se em um clássico cult, com direito a algumas sequências e até paródias.

Mesmo que fizesse alusão a um tipo de filme muito popular em 1980, a produção é uma verdadeira representação dos anos 90. Desde os astros que ficaram marcados pela época, como também o figurino característico e a trilha sonora cheia de hits do rock. Ao lado de Pânico, o filme fez história na década, sendo creditado como responsável por revitalizar o subgênero slasher e de certa forma, o terror contemporâneo.

Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado é mencionado e referenciado até hoje no universo da cultura pop. Carregando uma “vibe” que não se encontra mais nos filmes de terror atuais – felizmente ou infelizmente -, o filme se tornou um clássico que merece ser desenterrado, pois ainda hoje atrai como aquele bom entretenimento “fim de noite” que soa ao mesmo tempo familiar e legítimo.

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Evandro Lira

Bacharel em Cinema e Audiovisual, potterhead das antiga, filho dos filhos do átomo, fã de mais coisas do que deveria, frequentemente falando sozinho no Twitter. Segue: @evandroslira