Capa da Publicação

Thor – Marvel finalmente explica o que torna o herói “digno” nos quadrinhos!

- – Você é digno?

Por Raphael Martins → O que torna Thor digno de empunhar o martelo Mjolnir e de ser o deus do trovão? Será sua fibra moral? Sua coragem? Sua capacidade de vencer batalhas? Esta pergunta, feita há muito tempo pelos fãs do herói, finalmente foi respondida nos quadrinhos.

Para compreender seu significado, devemos voltar alguns anos no passado, quando o roteirista Jason Aaron começou a trabalhar com o personagem em Thor: Deus do Trovão. Na história, o campeão de Asgard enfrentou um vilão chamado Gorr, que tinha como principal objetivo matar todos os deuses que encontrasse pela frente.

O vilão acreditava que os deuses eram fúteis, mesquinhos e cruéis, nunca se preocupando com as vidas que deveriam proteger, e que por isso mereciam morrer. Para dar cabo dele, Thor precisou da ajuda de mais duas versões de si mesmo, uma do passado e uma do futuro, até que finalmente conseguiram vencer Gorr.

Na saga Pecado Original, o fantasma de Gorr voltou a assombrar Thor. Quando Nick Fury sussurrou no ouvido do deus do trovão que Gorr estava certo, Thor se sentiu indigno, perdendo a capacidade de levantar o Mjolnir, que escolheu Jane Foster como sua nova dona.

Foi apenas recentemente, na saga War of the Realms (ou “A Guerra dos Reinos” em tradução livre) que Thor realmente descobriu o que significa verdadeiramente ser digno, enquanto lutava contra o elfo negro Malekith, novamente com a ajuda de suas versões do passado e do futuro.

Em Thor #14, vemos o jovem Thor relutante com a ideia de que um dia seria indigno no martelo. Este Thor é arrogante e acredita que ser digno tem a ver com ser vitorioso em batalha, mas acaba passando vergonha na luta contra Malekith. Foi apenas quando viu sua mãe, Freya, ser atacada por simbiontes, que ele compreendeu que ser digno é fazer bem aos outros, e não a si mesmo.

Já em War of The Realms #6, é o Thor moderno quem aprende sobre dignidade. Invocando a tempestade que criou o Mjolnir e o fogo do próprio sol, ele cria um novo martelo, ao mesmo tempo em que tem uma epifania.

Depois de muitos anos de batalhas, Thor chega à conclusão de que a única coisa que é preciso para ser digno é a própria luta para ser digno. Dignidade não é um destino, é um objetivo a ser alcançado, declarando a si mesmo como “deus dos indignos”.

Em Thor #15, que saiu recentemente nos Estados Unidos, o herói é visto pensativo ao lado de seu novo martelo. Sozinho em seus pensamentos, ele diz:

“O dia em que eu parar de me esforçar para ser digno, será o dia em que eu perderei a tempestade para sempre. E neste dia… Gorr terá se provado certo para todo o sempre.”

Vocês concordam com a conclusão de Thor? Deixem seus comentários!

Vejam imagens das últimas edições de Thor e War of the Realms na nossa galeria:

Fonte: ComicBook

Imagem de perfil
sobre o autor Raphael Martins

Já fui um pouco de tudo: apresentador de TV, repórter, roteirista e hoje sou redator nesse noblário site. Gosto de longas caminhadas na praia, HQs, games, tokusatsu, cinema e filé com fritas. Você pode trocar uma ideia comigo e me ver reclamar da vida no Twitter @aqueleraphael